27.8.09

Pela Culatra

Vindo das mesmas fontes do cromado com arco íris em Wide Screen posto aqui uma cena da novela que inspira as novas tendências do design vernacular.

E daí eu pergunto a vocês. É uma licença poética para dizer que o tiro saiu pela culatra? confiram...



Bem que dizem que a animação é capaz de realizar coisas impossíveis...

Tem muito mais coisa pra comentar... mas deixo pra nossos leitores falarem nos comments

Are baba!

9 comentários:

Ricardo Artur disse...

Eu vi a cena, e realmente é muito infeliz e desnecessária. Acho que o pessoal da arte andava muito parado e resolveram inventar moda para justificar seus salários.

Apenas um comentário gritante: pela velocidade da bala, é impossível que o cabelo da Letícia Sabatela se movesse daquele jeito, a não ser que ela estivesse numa montanha russa ou dentro de um ciclone. Só faltou piscar durante a trajetória.

Aliás, desde que a Globo comprou novos equipamentos qualquer transmissão que ela tenha é motivo para gastar sua "Super câmera lenta".

Alguém precisa explicar pra eles que uma emissora não é (ou deveria ser) show Room de equipamentos tecnológicos

Beluga disse...

Não só isso... olha o tamanho da Bala!! é uma xícara de Café!!!

Anônimo disse...

engraçado como que o anglo do revolver não é o mesmo da trajetória da bala. Quando a bala sai do revolver ela deveria ir para o alto!
Será que faltou calculo?

Ricardo Artur disse...

Realmente, o ângulo da trajetória da bala está esdruxulamente errado.
Como é possível medir a trajetória da bola quase em tempo real numa partida de futebol, medir o posicionamneto do atacante no momento do impedimento, e errar tão feio no disparo da bala?

Guix disse...

O que me ocorre, além de um projétil percorrendo um intervalo de menos de dez metros a 400m/s que parece ter saído do gatilho e não do cano é como a profundidade de campo é perfeita a ponto de sequer perder nitidez alguns metros atrás do foco! Isso que é óptica!

Dinnaps disse...

\ É divertido falarmos mal porque trata-se da toda-poderosa Rede Globo. A Record passou meses ofendendo a inteligência do espectador com aquela novela dos mutantes e nós nunca comentamos nada. Um dia, vi por acaso parte de um capítulo onde um lobisomem rosnava para os atores. Ele só fazia isso: rosnava e repetia sempre os mesmos movimentos. Nem aparecia na tela ao mesmo tempo que os atores, era só um plano repetido várias vezes desse lobisomem em 3D (mais uma silhueta do que uma personagem modelada) rosnando contra um fundo avermelhado.

Mais do que medo de tiro e de lobisomem, eu tenho medo é do departamento de CGI das emissoras brasileiras.

Guix disse...

Dinnaps, você confessa abertamente que já viu... como é mesmo o nome?... Mutantes? O que é isso?

Dinnaps disse...

\ Pois é, deveria ter escrito esse comentário como anônimo, que é a moda do mês de agosto...

Mas não dava para não ter acompanhado a essa cena! Depois de ter assistido a clássicos como "Um lobisomem americano em Londres" e a porcarias que trabalham com CGI de primeira como "Van Helsing", ver o bicho em loop contínuo com os pixels à mostra me obrigou a parar uns minutos no canal do Bispo.

Dinnaps disse...

\ Olhando para a imagem agora, com calma, vi que essa bala parece metade daquela cápsula que tem dentro do kinder ovo, onde fica guardada a surpresa. Aliás, o tamanho é mais ou menos esse mesmo.

E antes que o Guix diga alguma gracinha, a resposta é sim: confesso publicamente que já vi um brinquedo de kinder ovo.