30.11.07

Designer — inimigo público número 1!

“Brinquedo polêmico.
Autoridades abrem fogo contra War da Tropa de Elite. Secretário Nacional de Segurança diz que jogo é apologia ao crime”.

Recomendo a todos a leitura do jornal Extra de hoje (30.11.07) — Tudo bem, ok, designerrr que é designerrrrrrr lê é o JB, mas abram uma exceção, certo? Na comédia de hoje, nossas autoridades afirmam que farão de tudo para proibirem a comercialização do brinquedo (?) e querem que o Ministério Público investigue o jogo (???).

Investigar o que? Que comercialização? É divertido (e apavorante) notar a atual situação em que vivemos, onde o cidadão comum está à mercê do completo despreparo das autoridades (in)competentes. Estamos entregues nas mãos dos bandidos e de autoridades corruptas e incapazes, que não apenas não conseguem proteger o cidadão como também despendem tempo e energia disparando bobagens. A autoridade NACIONAL de segurança não faz nada para proteger o cidadão. Não consegue entender uma crítica e fala sobre um assunto sem saber sobre o que está falando. E ainda tenta reprimir a liberdade do cidadão-designer de expressar seu desagrado, sua opinião.

Fui assaltado no domingo em Niterói por três homens armados, na rua São Sebastião, que faz a ligação do centro da cidade com o bairro de Icaraí, próxima ao Morro do Estado. Minha namorada alertou a polícia que estavam assaltando naquela área e adivinhem o que fizeram? Nada! Noite adentro, sequer um policial passou pela região. Fui depois avisado que eu é que deveria tomar cuidado naquela área, pois faz semanas que os assaltos têm sido freqüentes ali naquela rua, sempre no mesmo horário (a partir das 19h, mais ou menos).

Investigar o Fabio e o jogo, para quê? Tive a oportunidade de conviver com o Fabio rapidamente durante a faculdade. Sei que se pesquisarem a fundo, descobrirão com ele uma mente criativa indignada, um bom portfólio e um excelente catálogo de tipos. Então ou alguém contrata esse cara ou que vão investigar é os bandidos, a corrupção na polícia e os desvios de dinheiro público no Governo.

Acho que a iniciativa do Fabio deveria se entender para os outros municípios do Grande Rio. Podemos fazer um War Baixada, um War Nova Iguaçu, War Caxias. Eu certamente jogaria um War Nikity, com Morro do Estado e tudo, para não cair mais nas mãos da bandidagem por ali. Quem sabe até nossas autoridades aprendessem alguma coisa sobre Segurança Pública jogando também.

E o festival de despreparos e tropeços não para por aí. O jornal Extra, em um furo de reportagem, afirma que “Diante da polêmica, a Grow, que produz o verdadeiro “War” no Brasil, preferiu o silêncio”. Sábia iniciativa privada. Afinal, é melhor ficar de boca fechada do que aumentar ainda mais a bola de neve de asneiras.


EM TEMPO: Já joguei War, mas sempre preferi Detetive e Banco Imobiliário. Felizes os dias em que apenas o Coronel Mostarda era preso, por ter matado a vítima na sala com um candelabro.

7 comentários:

Ricardo Artur disse...

Não era na sala, era na biblioteca!!!

Ricardo Artur disse...

“Brinquedo polêmico.Autoridades abrem fogo contra War da Tropa de Elite. Secretário Nacional de Segurança diz que jogo é apologia ao crime”.

Engraçado é o seguinte: o jogo divide os exércitos com 3 para as "forças do bem" (BOPE, PM e milícias) e 3 para as "forças do mal" (CV, TCC e Amigos Dos Amigos).
Os objetivos podem ser: dominar a baixada fluminense ou, por exemplo, eliminar o Comando Vermelho.
Onde está a apologia ao crime?
Ah é... desculpa, mas não lembrei que todos da lista são criminosos... e que as forças oficiais agem de maneira truculenta tanto quanto o poder paralelo.

Guix disse...

Soube que o Coronel Mostarda forjou a própria morte com Katchup para fugir com o seguro de vida SINAF para um paraíso fiscal na América Central.

(Isso é um combo?)

Girardet disse...

Pior é que eu li outro dia num site que uma ONG ligada a uma favela estava reclamando do filme "Tropa de Elite", pois este faz "apologia à polícia".... Realmente estamos perdidos.

dinnaps disse...

\ Apenas uma observação, Ricardo: se você está contando as milícias como "forças do bem", realmente a coisa anda feia! Na maioria dos casos elas são um poder paralelo tão ruim quanto os traficantes (não que o BOPE e a PM também sejam lá essas coisas...).

\\ Apologia à polícia... Heh! O Lula então deve fazer apologia ao analfabetismo toda vez que abre a boca em rede nacional.

Guix disse...

Apologia ao design também é crime?

dinnaps disse...

\ Só se tiver "hair" e "Design" e na mesma frase...